Hosting tradicional ou em nuvem: qual é a melhor solução?

Se a sua empresa precisa optar entre hosting ou cloud computing, confira este artigo e saiba qual é o modelo mais adequado para sua demanda!

Alocar recursos de infraestrutura com assertividade é uma das principais preocupações de qualquer empresa. Porém, quando o assunto é disponibilidade e capacidade de atender às demandas do negócio, qual é a melhor solução: hosting tradicional ou cloud computing?

Neste artigo você vai entender mais sobre o uso desses dois modelos pelas empresas e descobrir qual é a opção mais adequada para o seu negócio. Boa leitura.

O que é hosting?

“Hosting” em inglês significa hospedagem e na área de tecnologia se refere a quem hospeda ou mantém aplicações, sistemas ou até mesmo estruturas inteiras em um data center terceiro. Este é o tipo de hospedagem mais tradicional no universo corporativo e funciona por meio do modelo de contratação de infraestrutura de TI (como hardware, licenças, serviços gerenciados e especializados) junto a um provedor de Data Center.

Por isso, podemos dizer que hosting é uma forma de oferecer recursos em um ambiente que hospeda aplicações, soluções de TI ou ativos. Com o hosting, a empresa contratante tem responsabilidade apenas na camada de aplicação. Já o gerenciamento e manutenção da infraestrutura fica por conta da empresa que fornece os serviços, que poderá disponibilizá-los de forma dedicada ou compartilhada.

Hospedagem compartilhada ou dedicada

Na hospedagem dedicada, um único cliente consome recursos completos de um ou mais servidores do provedor de serviços. Nesse modelo, o cliente tem controle total sobre os recursos dos servidores, entretanto a largura de banda dedicada, provisionamento de CPU, RAM e espaço na unidade são limitados.

Já na hospedagem compartilhada, mais comum entre pequenas e médias empresas, os recursos de um servidor são compartilhados com múltiplos clientes, que pagam por uma quantidade definida de armazenamento. Na hospedagem compartilhada, o gerenciamento, manutenção e atualização da infraestrutura são responsabilidades da empresa que fornece o serviço de hosting e podem haver problemas de disponibilidade.

Hosting: quando faz sentido optar por esse modelo?

Modelos de negócio que têm um fluxo previsível de tráfego podem optar por fazer o hosting de seus ativos de TI, seja de forma compartilhada ou dedicada. Já para as empresas que exigem alta disponibilidade do ambiente computacional e que precisam contar com uma infraestrutura escalável o modelo de hosting não é tão indicado.

Isso porque, principalmente no modelo compartilhado, o desempenho pode ficar comprometido por conta de picos de tráfego de dados. Além disso, esse modelo não tem elasticidade, ou seja, quando surgir a necessidade de utilizar um volume maior de recursos para sustentar algum acontecimento sazonal, a empresa deverá comprar espaço adicional no servidor e pode acabar pagando por um serviço sem utilizá-lo.

O que é cloud computing?

Cloud computing é a definição por software de recursos de rede, computação e armazenamento, gerenciados por meio de uma interface gráfica que permite o provisionamento de máquinas virtuais e plataformas computacionais sob demanda, via internet e de maneira elástica, pagando apenas pela volumetria contratada.

Segundo o National Institute of Standards and Technology (NIST), cloud computing é “um modelo para acesso a rede sob demanda, ubíquo e conveniente para um pool compartilhado de recursos computacionais configuráveis que podem ser rapidamente provisionados e lançados com mínimo esforço de gerenciamento ou interação com o provedor de serviços”.

Para o NIST, um provedor de cloud computing deve ser capaz de entregar um pool de recursos e autosserviço sob demanda para seus clientes, com amplo acesso à rede, expansão rápida e serviços mensurável, permitindo o controle micro dos recursos alocados e consumidos, bem como o pagamento por uso. A definição também cita os modelos de serviço em cloud, que são infraestrutura, software ou plataforma como um serviço, bem como os modelos de entrega, que pode ser privada, pública ou híbrida. 

Quais são os modelos de entrega de computação em nuvem?

Em geral, existem três modelos de entrega de cloud computing, a saber: IaaS (infraestrutura como serviço), PaaS (plataforma como serviço) e SaaS (software como serviço). Neste artigo estamos focando no modelo IaaS, em que os recursos computacionais são provisionados e gerenciados por meio da Internet, fornecidos especificamente com relação ao hardware virtualizado – em outras palavras, a infraestrutura de computação.

Assim, não há a necessidade da aquisição de novos equipamentos quando surge uma nova demanda, pois o sistema herdado é aproveitado e a nova demanda pode ser solicitada rapidamente adicionando novos servidores virtuais à infraestrutura. Você pode conferir mais sobre os principais modelos de entrega de cloud computing neste artigo

Vantagens de optar por cloud computing

Alta disponibilidade e redundância 

A carga em cloud computing é equilibrada por meio de clusters, ou seja, servidores que trabalham em conjunto. Desse modo, as informações contidas neles são espelhadas em todo o cluster em uma arquitetura redundante, que proporciona alta disponibilidade do ambiente e redução do tempo de inatividade. Na prática, caso ocorra uma falha em um servidor, não há perda de informações e suas operações não precisam parar, de modo que sua empresa poderá contar com uma infraestrutura de alta disponibilidade.

Escalabilidade operacional e elasticidade

Uma das principais características de cloud computing é a elasticidade, ou seja a capacidade de aumentar a capacidade de processamento e armazenamento de dados conforme a necessidade da empresa, de forma simples e rápida. Assim, é possível garantir que sua infraestrutura de TI esteja preparada para se adaptar a qualquer cenário, sem necessidade de fazer grandes investimentos de uma vez só, garantindo escalabilidade operacional para o seu negócio.

Pagamento por uso

Ao contrário do hosting tradicional, em que o cliente deve pagar por uma quantidade limitada de recursos, cloud computing permite uma alocação mais saudável de investimento. Por exemplo, um site de e-commerce entra em black friday e precisa de mais capacidade de processamento e memória para suportar o aumento no número de acessos. Com cloud computing esses recursos podem ser provisionados durante toda a black friday sem nenhuma obrigatoriedade de que o ambiente permaneça com essas configurações após a estabilização dos acessos ao volume usual.

Novos serviços para a gestão de TI

Além de todas essas vantagens, cloud computing também oferece serviços para facilitar a gestão da TI da sua empresa e trazer mais segurança para o ambiente computacional, como serviços de VPN, balanceamento de carga, banco de dados na nuvem, DNS e contêineres.

Cloud computing: quando faz sentido ir para a nuvem?

Como cloud computing é um modelo baseado no provisionamento e compartilhamento de recursos em um data center virtual, optar por essa tecnologia como suporte das suas operações faz sentido para todas as empresas que demandam por flexibilidade para dimensionar o ambiente computacional, alta segurança física e lógica, eficiência na alocação de recursos e mais automação. 

Na prática, com a nuvem sua TI vai conseguir realizar testes e encontrar soluções para possíveis problemas de infraestrutura com eficiência, automatizar tarefas repetitivas para focar no crescimento da empresa, otimizar a experiência dos usuários finais, tudo isso com segurança e redundância. Quer continuar o assunto e entender mais vantagens da IaaS para a sua TI? Então reserve mais alguns minutos e confira este artigo que preparei para você.

Veja também

4 fatos sobre Disaster Recovery em ambientes de alta complexidade

Disaster Recovery as a Service: solução para a continuidade do negócio

[LIVE] Comunicação para empresas de TI: como fortalecer sua marca?