[LIVE] Governança de TI para criar projetos com alto valor para o negócio

Governança de TI é a área que cria diretrizes para que a TI agregue valor ao negócio com projetos de impacto. Como isso é possível? Confira!

Já imaginou como seria se sua área de TI fosse uma peça fundamental para a tomada de decisões de negócio na sua empresa? A Governança de TI surgiu como continuidade da já estabelecida Governança Corporativa e seu papel é criar diretrizes, responsabilidades, competências e habilidades, compartilhadas e assumidas por todos os pontos de contato da TI na organização a fim de elevar esta área como parte fundamental do planejamento estratégico de uma empresa. 

Credibilidade e transparência para informações e processos são algumas das palavras-chave quando palavras em governança de TI. A ideia é que, através de processos controlados, otimizados e alinhados de acordo com os objetivos estratégicos da organização, a área de TI seja capaz de agregar valor para o negócio. 

É o que vemos ser chamado pelas empresas de “foco em inovação”: colocar na prática os conhecimentos da área de TI para otimizar investimentos, implementar processos e boas práticas, desenvolver projetos, aumentar a maturidade da segurança da informação, etc.

Então, como podemos falar sobre criar projetos de TI de alto valor agregado sem dar um passo atrás e pensar no papel fundamental da governança de TI para os negócios? Te convido a acompanhar meu raciocínio neste artigo e, ao final, assistir à gravação da live que apresentei junto com a Binario Cloud onde dou 5 dicas para criar projetos de TI com alto valor. Vamos lá?

O papel da governança de TI no alinhamento estratégico com objetivos de negócio

Se o seu time de TI fica esperando que as coisas aconteçam sozinhas na sua empresa, sem um direcionamento claro sobre o porquê dos projetos serem feitos, significa que a governança de TI precisa ser melhor trabalhada na organização. Isso porque uma das principais atribuições dessa área é garantir o alinhamento estratégico entre o planejamento tático da área de tecnologia e os objetivos de negócio. Ou seja, garantir que as ações do departamento de TI e os processos de negócio trabalhem conjuntamente para que a empresa alcance seus objetivos estratégicos.

Na prática, se a sua área de governança de TI está bem desenvolvida, boa parte do trabalho de análise de negócio (essencial para iniciar qualquer projeto de TI) já está feita. Com isso, vemos que uma empresa que aposta em governança de TI está um passo à frente da concorrência, pois suas ações já estão sendo direcionadas em favor do negócio, logo, novos projetos são desenvolvidos com foco em gerar valor.

Entrega de valor para a organização através da TI

Entendemos perfeitamente o conceito de entrega de valor quando se trata de um produto a ser consumido por um usuário externo à organização. Porém quando se trata do cliente interno, a área da governança de TI será a responsável por garantir a entrega de valor para toda a organização — desde ações mais visíveis no quesito experiência do usuário, como a implementação de um novo sistema para agilizar as atividades do dia a dia, até garantir a continuidade do negócio através de processos preventivos e planos de mitigação de riscos.

Na minha percepção, existem 3 pontos principais que são comumente associados à governança e que são fortes potencializadores de valor em projetos de TI: 

  • Gerenciamento de riscos
  • Gerenciamento de recursos
  • Mensuração de desempenho

Isso porque tarefas como mapear a infraestrutura de TI, documentar indicadores sobre o ambiente e realizar análises com informações coletadas durante o mapeamento das operações fazem parte do processo que precede o diagnóstico de problemas que a TI pode resolver para trazer melhorias para a organização.

Gerenciamento de riscos

Existe um limite aceitável de riscos para qualquer organização e quanto antes sua empresa definir exatamente qual é esse limite no que diz respeito à TI, melhor. A partir desse mapeamento, é natural que novos projetos surjam. Muitos deles, inclusive, podem ter um baixo impacto no uso de recursos e serem extremamente relevantes para a continuidade dos negócios. Por exemplo: implementação de uma VPN entre sede e filiais para aumentar o nível de segurança da informação.

Muitas pessoas me perguntam, posso fazer uma análise SWOT para registrar e gerenciar os riscos? A análise SWOT sozinha, se usada isoladamente, poderá apenas mostrar pontos fortes, fraquezas, oportunidades e ameaças. Sugiro também uma análise qualitativa onde veremos a probabilidade de um determinado risco se tornar uma ameaça e qual seria o impacto disso para o negócio. Para calcular o nível de risco e saber o que priorizar, basta utilizar uma expressão simples: valor da probabilidade versus o nível de impacto para os negócios = nível de risco

Aquilo que for identificado como alto nível de risco pode entrar no seu planejamento como projeto de continuidade de negócios.

Um último conselho sobre gerenciamento de riscos: nunca deixe de mostrar os riscos da sua empresa. Eles precisam ser entendidos e corrigidos ou mitigados à medida do possível. Caso contrário, é o futuro da organização — e, em última análise, o seu — que está em jogo.

Gerenciamento de recursos

Essa área, que também faz parte das boas práticas de gerenciamento de projetos, tem tudo a ver com a entrega de valor em projetos de TI: a partir do momento em que os recursos humanos envolvidos nos projetos foram bem definidos quanto à sua função, nível de responsabilidade e relações hierárquicas, é natural que a relação entre custo e execução do projeto caia.

Outro ponto é a utilização de recursos materiais e tecnológicos na organização. É possível dedicar recursos humanos no seu time de TI para monitorar sua infraestrutura em cloud e analisar dados com o objetivo de propor melhorias que vão impactar diretamente nos investimentos da empresa com TI. Um exemplo de projeto de alto valor agregado, que pode ser sugerido a partir da atuação da governança sobre o gerenciamento de recursos, é a redução dos recursos computacionais contratados como serviço, caso identificado excedente durante o monitoramento das operações.

Um bom direcionamento é sempre ter em mente estas 3 perguntas:

  • Qual problema quero solucionar com o projeto?
  • Quem são os principais impactados pelo problema e como?
  • Quais são as possíveis causas?

Último ponto sobre gestão de recursos: simplifique o máximo que puder. Será que determinado projeto realmente precisa de tantas pessoas na fase inicial? Podemos simplificar o processo de monitoramento de infraestrutura através de alguma ferramenta? E por aí vai.

Mensuração de desempenho

Projetos de TI precisam ser mensuráveis. Às vezes nem mesmo a área de TI compra o projeto quando o gestor ou analista responsável vai apresentá-lo. Via de regra, isso acontece porque o projeto não é mensurável. Quando as coisas são abstratas, fica difícil tomar decisões com segurança.

Nesse sentido, a área de governança de TI tem muito a contribuir com projetos, uma vez que ela fornecerá as ferramentas e indicadores necessários para quantificar outros critérios que vão muito além dos financeiros, tais como a percepção de valor agregado. O objetivo de mensurar o desempenho continuamente é prover tomadas de decisão embasadas em fatos. Isso se dá através da equação: percepção x análise = projeto de TI de alto valor agregado

Facilitador em projetos de alto valor

O projeto de TI é uma parte da governança — a parte mais operacional. A partir de agora, você fica com a gravação da live que apresentei pela Binario Cloud, demonstrando 5 passos para criar projetos de TI de alto impacto para os negócios. Portanto, lembre-se sempre de que tentar implementar projetos sem ter visão de negócio não é uma boa ideia.

Solte o play e venha se aprofundar neste assunto comigo!

Veja também

Multicloud: como aplicar o conceito na sua infraestrutura de TI

Entenda como a hiperconvergência funciona na sua TI

Quando faz sentido migrar seu servidor físico para uma solução em Cloud?