Problemas de performance de máquinas virtuais: qual é o processador mais adequado para suas soluções

Saiba contornar problemas de perfomance de VMs do seu ambiente e entenda como a nuvem pode ser a melhor alternativa para sua empresa!

As máquinas virtuais (VMs) são uma abstração do  hardware, isoladas e instaladas em um servidor físico (host). Diversas máquinas virtuais (guests) podem ser executadas em um mesmo host, de forma que é possível executar todo tipo de soluções e ferramentas em uma máquina virtual. Por isso, grande parte dos negócios hoje utiliza este recurso em suas operações.

O uso dessa tecnologia traz diversos benefícios para o seu negócio, como redução de custos com servidores e maior flexibilidade no gerenciamento da infra, desde que os requisitos técnicos da sua VM sejam adequados. Ou seja, se você está sofrendo com problemas de performance e lentidão nas suas VMs, pode ser que as VMs da sua empresa não tenham o processador adequado para suportar as aplicações utilizadas. 

Por isso, neste artigo vou especificar para você quais são os processadores mais adequados, de acordo com a ferramenta utilizada na sua empresa, para que você tenha mais assertividade na hora de alocar recursos operacionais.

Como saber se o processamento das VMs atende aos requisitos da minha empresa?

Análise inicial

Para entender melhor sobre esse assunto e saber se suas máquinas virtuais são adequadas para rodar as soluções que sua empresa precisa é importante levar em consideração dois fatores:

  1. Quais ferramentas estão instaladas?
  2. Quanto do processador fica comprometido durante o uso destas ferramentas?

Níveis de capacidade de processamento

Uma das vantagens da adoção de computação em nuvem é o fato de que você pode contratar máquinas por níveis de processamento, garantindo performance para as aplicações que demandam mais recursos e reduzindo o custo com aplicações mais leves.

Como exemplo, ba Binario Cloud os serviços de processamento de dados são definidos por Tiers e podem ir do 1 ao 8. Nessa escala, aqueles processadores caracterizados como Tier 8 são os de menor desempenho. Logo, os processadores Tiers 1 são aqueles que possuem  maior índice de desempenho. 

Trabalhamos com um catálogo baseado em máquinas T4i e T2i,  padronizando a alocação de memória entre GB (2X), 4GB (4X) ou 8GB (8X) de memória RAM por vCPU.

Desta forma acreditamos que nossos clientes sentirão ainda mais benefícios, uma vez que amplia-se a variedade de recursos, permitindo tratar cada workload da forma mais adequada.

Mas agora você pode estar se perguntando: qual capacidade de processamento é a mais indicada para rodar um sistema como o ERP? E para rodar softwares com baixa carga de uso como bancos de dado não críticos? Vamos entender mais sobre isso a seguir.

Algumas soluções suportadas por máquinas virtuais nível T4i

  1. Active Directory
  2. Web Servers
  3. Controladores de domínio (DNS)
  4. File Servers

Algumas soluções suportadas por máquinas virtuais nível T2i

  1. ERP
  2. Ferramentas de BI
  3. Machine Learning
  4. Banco de Dados

Caso você esteja utilizando uma máquina virtual de nível T4i para rodar um software mais robusto como um ERP, pode sofrer com baixa performance, que será refletida diretamente na experiência dos usuários deste sistema. Utilizar processador ou máquinas com capacidades aquém dos requisitos ideais de funcionamento irá comprometer o fluxo de trabalho das áreas de negócios, gerando transtorno para equipe de TI.

Para evitar estes transtornos, acreditamos que as empresas devem cada vez mais olhar para a computação em nuvem como uma alternativa mais viável, uma vez que as tecnologias disponíveis também estão mais acessíveis; e pela flexibilidade de pagar pelo uso, que possibilita aderir ao cloud computing seja qual for o tamanho da companhia. Se você tem dúvidas ou quer saber mais sobre design de hardware, infraestrutura ou computação em nuvem, entre em contato com a gente.

Veja também

Multicloud: como aplicar o conceito na sua infraestrutura de TI

[LIVE] Monitoramento de infra em cloud em 6 passos: descomplicado e na prática

As 3 principais diferenças entre Disaster Recovery e Backup