[LIVE] Tecnologia em prol da continuidade dos negócios

Garanta que as suas operações continuem funcionando mesmo durante crises tendo a tecnologia como base para a continuidade dos negócios!

Sobreviver à crise é um dos termos mais pesquisados no Google neste ano de 2020. Diante da pandemia, muitos negócios foram afetados e a estimativa do IBGE é de que 62,4% das empresas em funcionamento em Julho perceberam impactos negativos em suas atividades. Por isso, poder contar com um Plano de Continuidade dos Negócios para lidar com situações como a falta de uma pessoa ou indisponibilidade de uma tecnologia, pode reduzir esses impactos.

O Plano de Continuidade dos Negócios é o conjunto de ações para que a empresa continue a operar, independente de uma fatalidade ou incidência que poderia gerar um prejuízo e afetar o negócio, funcionários e demais correlatos. Entretanto, não existe uma receita de bolo para esse processo, que depende de muitos fatores internos.

Se você se interessou pelo assunto e quer saber o que pode fazer para garantir que seu negócio continue operando durante a crise, continue lendo o resumo da live apresentada pelo nosso CTO, Cyrano Rizzo e nosso Project Manager, Cássio Nascimento – ou dê o play na gravação abaixo! 

Os impactos da tecnologia para os negócios

Para além dos desastres naturais, com o Covid-19, existem outros fatores que prejudicam o ambiente de TI. Os principais pontos de atenção para qualquer empresa são:

  • Conectividade;
  • Processamento;
  • Segurança.

Vamos falar mais sobre eles a seguir.

Conectividade

Antes, uma porcentagem muito baixa de pessoas se conectavam aos servidores da empresa de fora do escritório. Hoje, por causa do trabalho remoto, esse cenário mudou. Portanto, se a comunicação tiver pontos de falha e que não permitam a alta disponibilidade, seus funcionários podem ter problemas de conexão ao ambiente, o que pode impactar toda a operação.

Alta disponibilidade

Quando colaboradores estavam dentro do mesmo prédio, a conexão com as ferramentas – um ERP, uma ferramenta web, por exemplo – era feita com a rede da empresa. Hoje, o profissional precisa se conectar a um servidor que, por sua vez, deve ter alta disponibilidade e um contingenciamento pensado para atender a essa demanda. 

Segurança

Quando usuários se conectam de seus computadores pessoais, existe o risco de transferir um malware de fora do domínio para o ambiente da empresa. Latência e lentidão das aplicações caso um vírus seja transferido para o servidor são apenas alguns problemas. Já no caso do sequestro de dados, as consequências podem ser fatais.

Todos esses fatores devem ser pensados, tendo em mente que nenhum SLA é 100% e que a conta entre necessidade x custos deve ser uma prioridade. Também, para pensar de maneira estratégica e conseguir sobreviver à crise, é necessário planejamento, adoção de boas práticas e envolvimento da equipe na tomada de decisão. Para isso, contar com um Plano de Continuidade dos Negócios é essencial. 

Plano de Continuidade dos Negócios: o que é?

É o passo a passo do que sua empresa faria se tivesse um problema de infra e escrevê-lo garante mais tempo para a empresa caso ocorra uma falha. Ele deve ser revisado periodicamente e, para isso, a tecnologia surge como aliada, com softwares de monitoramento, sensores inteligentes, automação de processos, entre outros, para que seu TI não fique refém de uma falha humana e conte com mais segurança.

Principais pilares para garantir a continuidade do negócio

Basicamente, toda organização tem atividades relacionadas diretamente ao core – e outras, que não são diretamente relacionadas. Quando se trata do Plano de Continuidade dos Negócios, os pilares vão depender do foco da empresa. Via de regra, temos de considerar as atividades que impactam o maior número de pessoas, operações e faturamento para construir esses pilares. De modo que, as atividades que estão mais ligadas ao core devem ter mais atenção.

Vamos a um exemplo prático: de nada adianta para uma operadora manter o serviço de ligações e perder o serviço de bilhetagem porque, sem ele, a empresa deixa de gerar receita, já que não consegue cobrar o cliente e, consequentemente, não consegue pagar os funcionários e fornecedores. 

Os principais pilares de um Plano de Continuidade de Negócio são: 

  • Conhecer bem o negócio;
  • Conhecer os riscos, impactos e prejuízos envolvidos no negócio;
  • Pensar em ações para mitigar ou erradicar os riscos, impactos e prejuízos
  • Reavaliar e atualizar o plano de continuidade de negócios constantemente.

Em resumo, é preciso saber responder a uma pergunta simples: quanto tempo a empresa pode ficar fora do ar e quanto isso custará? Essa pergunta está relacionada a fatores conhecidos como RPO e RTO, ou seja, quanto tempo de dados a empresa pode perder e qual será o prejuízo dessa perda. Quanto mais próximo de zero, maior será o custo. Por isso, conhecer essas respostas possibilitará encontrar a solução mais adequada para a necessidade da empresa.

4 passos essenciais para garantir que seu negócio continue operando

Em geral, alguns passos essenciais para garantir a continuidade do negócio durante uma crise são:

  • Mapeamento de riscos, baseado no dia a dia da operação;
  • Entender qual é a relação entre as áreas e quais são os impactos caso uma delas tenha um problema;
  • Definir prioridades;
  • Pensar nas políticas de RPO e RTO com relação ao escopo.

Como falamos de empresas que já pensam a transformação digital, o entendimento do momento atual deve ser prioridade: se a equipe não tem clareza sobre onde está, qual é a legislação, quais são as boas práticas, não vai conseguir definir um Plano de Continuidade. 

Se você já assistiu a gravação da live e quer se aprofundar mais sobre o assunto, pode se interessar por este artigo sobre como alocar recursos de infraestrutura de TI com assertividade.

Veja também

5 lições do último Silicon Valley Conference do ano

OpenStack: por que investir nesse tipo de solução?

OpenStack: por que investir nesse tipo de solução?

3 Lições para a continuidade dos negócios que aprendemos com a crise