Como oferecer nuvem para os seus clientes B2B

Saiba como oferecer nuvem para seus clientes B2B e encontrar o diferencial competitivo do seu negócio no mercado de provedores de internet.

Em um mercado de clientes cada vez mais exigentes, agregar serviços gerenciados em nuvem ao seu portfólio de ofertas é um importante diferencial competitivo, que pode te auxiliar a aumentar receita por meio da oferta de serviços de alto valor para uma mesma base de clientes. Neste contexto de transformação digital, migrar o ambiente computacional para a nuvem possui inúmeras vantagens como mais flexibilidade para crescimento sob demanda e sustentação para as tecnologias da Indústria 4.0. 

Mas o que algumas organizações ainda não sabem é que existe uma solução em cloud computing adequada para cada tipo de mercado e negócio, seja ele uma indústria ou startup. Pequenas e Médias Empresas podem contar com o suporte de um time especializado para sua migração e se beneficiar das vantagens da nuvem, com alta performance proporcionada pelos serviços de fibra de seu provedor de internet.

Se você já possui serviços gerenciados em nuvem em seu portfólio e quer entender quais são as formas mais assertivas para oferecê-los aos seus clientes B2B, continue lendo este artigo.

Entenda as necessidades dos seus clientes B2B

Para oferecer nuvem, comece pelo entendimento do cenário dos seus clientes B2B. 

  • A empresa tem uma área de TI bem desenvolvida?
  • Há limitações de negócio no momento?
  • Quais são as principais necessidades em termos de infraestrutura? E segurança?
  • Quais são as perspectivas de crescimento do negócio?

Apresente as vantagens da nuvem de acordo com os objetivos de cada negócio

Para clientes com uma TI pouco amadurecida

Entender se a área de TI da instituição está amadurecida ou não pode ser o divisor de águas da sua abordagem. É importante entender que migrar de uma estrutura on-premise ou hosteada para um ambiente profissionalizado significa mais segurança para as aplicações e dados sensíveis do negócio. Isso porque, quando a empresa migra sua infraestrutura para a nuvem, passa a aproveitar das certificações de segurança, performance e disponibilidade dos grandes data centers.

Por exemplo, vamos pensar em um data center TIER III para design e facilities (que significa alta disponibilidade, mesmo em períodos de manutenção), com SLA de 99,982% certificado ISO 27001 (que atesta boas práticas de controle de acesso e segurança). Quando seu cliente migrar o ambiente operacional para uma infraestrutura com estas qualificações, significa que seu ambiente também terá alta disponibilidade, com SLA de 99,982% e mais segurança.

Outro ponto relevante é a disponibilidade do suporte especializado, em português e monitoramento proativo do ambiente. Sendo que uma das principais reclamações dos clientes hoje é a pouca personalização no atendimento, contar com um suporte na sua língua, pronto a atender qualquer solicitação é um diferencial importante.

Quando há limitação de negócio

A grande sacada neste ponto é entender como o cloud computing traz mais economia para as organizações: quando uma empresa possui sua infraestrutura dentro de casa, tem de lidar com uma série de custos iniciais relacionados a:

  • Alocação de espaço físico
  • Manutenção da infraestrutura (climatização, energia elétrica e atualizações, por exemplo)
  • Dedicação de profissionais apenas para a resolução de problemas
  • Substituição de hardware obsoleto

Com a nuvem, toda a responsabilidade pela manutenção do data center, alocação de espaço físico e gerenciamento da infraestrutura fica como responsabilidade do provedor, eliminando estes custos dos investimentos da empresa. Neste modelo, a equipe de TI pode ser capacitada e realocada para atuar com foco no cliente e no negócio.

Já quando falamos nos gargalos provocados pelos períodos de alta demanda, paradas não programadas por conta de problemas de manutenção e até mesmo a perda de dados sensíveis, a escalabilidade operacional é a maior aliada dos negócios. Ao migrar o ambiente operacional para a nuvem, seus clientes contarão com a flexibilidade do serviço sob demanda, pagando apenas pelo que é utilizado, com mais praticidade e rapidez para escalar recursos.

Fale sobre conectividade

Se seus clientes utilizam aplicações sensíveis à distância ou se a latência é um fator importante para o negócio, fale sobre conectividade. Data centers certificados têm amplo acesso a conexão e incluem até mesmo a possibilidade de contratar um link dedicado entre a infraestrutura e a empresa. 

Também é importante falar sobre conectividade segura, principalmente em contextos nos quais parte da operação está atuando em home office. Se você quer saber mais sobre o que é preciso para garantir a continuidade dos negócios durante o trabalho remoto, leia este artigo.

Entender todas as diferenças entre o data center físico e o virtual é essencial para realizar uma abordagem mais assertiva junto aos seus clientes. Para te auxiliar nesta jornada, nossa equipe produziu um infográfico comparativo entre as vantagens e desvantagens destes dois modelos para cada negócio.

Veja também

Tecnologia e negócios: como ajudar o TI a tomar uma boa decisão?

[LIVE] Como aumentar a margem do seu ISP na prática?

Como estruturar o plano de Disaster Recovery